sábado, 14 de fevereiro de 2015

TEXTO DE ECKHART TOLLE


Nosso sentido de quem somos determina o que percebemos como nossas necessidades e o que importa na nossa vida, e o que nos interessa tem o poder de nos irritar e perturbar. Podemos usar isso como um critério para descobrir até que ponto nos conhecemos. O que nos interessa não é o que dizemos nem aquilo em que acreditamos, mas o que nossas ações e reações revelam como importante e sério.

Portanto, talvez queiramos nos fazer a seguinte pergunta: o que me irrita e pertuba? Se coisas pequenas têm a capacidade de nos atormentar, então quem pensamos que somos é exatamente isto: pequeno. Essa é nossa crença inconsciente. Quais são as coisas pequenas? No fim das contas, todas as coisas são pequenas porque todas elas são efêmeras.

Podemos até dizer: “Sei que sou um espírito imortal” ou “Estou cansado deste mundo louco. Tudo o que quero é paz”,  até o telefone tocar. Más notícias: o mercado de ações caiu, o acordo pode não dar certo, o carro foi roubado, nossa sogra chegou, cancelaram a viagem, o contrato foi rompido, nosso parceiro ou parceira foi embora, alguém exige mais dinheiro, somos responsabilizados por algo. De repente ocorre um Ímpeto de raiva, de ansiedade. Uma aspereza brota na nossa voz: “Não aguento mais isto.” Acusamos e criticamos, atacamos, defendemos ou nos justificamos, e tudo acontece no piloto automático. Alguma coisa obviamente é muito mais importante agora do que a paz interior que um momento atrás dissemos que era tudo o que desejávamos. E já não somos mais um espírito imortal. O acordo, o dinheiro, o contrato, a perda ou a possibilidade da perda são mais relevantes. Para quem? Para o espírito imortal que dissemos ser? Não, para nosso pequeno eu que busca segurança ou satisfação em coisas que são transitórias e fica ansioso ou irado porque não consegue o que deseja. Bem, pelo menos agora sabemos quem de fato pensamos que somos.

Se a paz é de fato aquilo que desejamos, então devemos escolhê-la. Se ela fosse mais importante para nós do que qualquer outra coisa e se nós nos reconhecêssemos de verdade como um espírito em vez de um pequeno eu, permaneceríamos sem reagir e num absoluto estado de alerta quando confrontados com pessoas ou circunstâncias desafiadoras. Aceitaríamos de imediato a situação e, assim, nos tornaríamos um com ela em vez de nos separarmos dela. Depois, da nossa atenção consciente surgiria uma reação. Quem nós somos (consciência) – e não quem pensamos que somos (um pequeno eu) – estaria reagindo. Isso seria algo poderoso e eficaz e não faria de ninguém nem de uma situação um inimigo.

O mundo sempre se assegura de impedir que nos enganemos por muito tempo sobre quem de fato pensamos que somos nos mostrando o que realmente é importante para nós. A maneira como reagimos a pessoas e situações, sobretudo quando surge um desafio, é o melhor indício de até que ponto nos conhecemos a fundo.

Quanto mais limitada, quanto mais estreitamente egóica é a visão que temos de nós mesmos, mais nos concentramos nas limitações egóicas – na inconsciência – dos outros e reagimos a elas. Os “erros” das pessoas ou o que percebemos como suas falhas se tornam para nós a identidade delas. Isso significa que vemos apenas o ego nos outros e, assim, fortalecemos o ego em nós. Em vez de olharmos “através” do ego deles, olhamos “para” o ego. E quem está fazendo isso? O ego em nós.

As pessoas muito inconscientes sentem o próprio ego por meio do seu reflexo nos outros. Quando compreendemos que aquilo a que reagimos nos outros também está em nós (e algumas vezes apenas em nós), começamos a nos tornar  conscientes de nosso próprio ego. Nesse estágio, podemos também compreender que estamos fazendo às pessoas o que pensávamos que elas estavam fazendo a nós. Paramos de nos ver como uma vítima.

Nós não somos o ego. Portanto, quando nos tornamos conscientes do ego em nós, isso não significa que sabemos quem somos – isso quer dizer que sabemos quem não somos. Mas é por meio do conhecimento de quem não somos que o maior obstáculo ao verdadeiro conhecimento de nós mesmos é removido.

Ninguém pode nos dizer quem somos. Seria apenas outro conceito, portanto não nos faria mudar. Quem nós somos não requer crença. Na verdade, toda crença é um obstáculo. Isso não exige nem mesmo nossa compreensão, uma vez que já somos quem somos. No entanto, sem a compreensão, quem nós somos não brilha neste mundo. Permanece na dimensão não manifestada que, é claro, é seu verdadeiro valor. Nós somos então como uma pessoa aparentemente pobre que não sabe que tem uma conta de centena de milhões no banco. Com isso, nossa riqueza permanece um potencial oculto.


Eckhart Tolle

O RESSENTIMENTO CAUSA MUITOS MALES


O ressentimento é a raiva há muito sufocada. O principal problema do ressentimento é que ele costuma se alojar sempre em uma determinada parte do organismo. Com o passar do tempo, naquele local vai se formando um cisto, que pode se transformar em tumor, que vai comer o corpo por dentro. Portanto, não existe nada pior para a saúde do que a raiva reprimida durante muitos anos.

Muitos de nós fomos criados em famílias em que não era permitido extravasar raiva. Em algumas delas, só o chefe da casa possuía esse direito. Dessa forma, os outros membros tinham de aprender a engolir a raiva. Isso é especialmente frequente com mulheres, que em geral foram ensinadas que externar raiva era pouco feminino e sinal de falta de educação.

Muitas mulheres criam quistos e tumores no útero devido àquilo que chamo de síndrome ele me magoou. Elas são pessoas com problemas emocionais que guardam seu ressentimento na área genital. Agem como as ostras, que, ao absorverem um grão de areia, criam em torno dele camada após camada de carbonato de cálcio para escaparem da irritação, até que se forma uma pérola. Essas mulheres absorvem mágoa e ficam repisando seu ressentimento com o parceiro ou, como costumo dizer, passando sempre o velho filme, e as camadas e camadas de raiva reprimida acabam se transformando em um quisto e depois um tumor.

Como o ressentimento geralmente está muito fundo dentro de nós é comum ele exigir muito trabalho mental para ser dissolvido. Recebi uma carta de uma senhora que estava lidando com seu terceiro tumor canceroso. Ela me contou que fazia muito trabalho mental, mas percebi por suas palavras que ainda guardava dentro de si um forte sentimento de indignação e amargura, que, no fundo, ela achava mais fácil deixar a cargo do médico extrair o tumor do que trabalhar com grande constância em dissolver seus ressentimentos. Ora, os médicos podem ser muito bons em extrair quistos ou tumores, mas só o próprio paciente pode impedi-los de voltar.

Existem pessoas que preferem morrer a mudar seus padrões. Você com certeza conhece alguém que se recusa a modificar seus hábitos alimentares, apesar de saber que corre perigo ao mantê-los. Isso pode ser bastante difícil para uma pessoa que vê um ente querido praticando exageros e percebe que é incapaz de modificá-lo.

 No entanto, tenha em mente que não importam as escolhas, elas são sempre as corretas para quem as faz dentro de seu nível de compreensão e conhecimento. Não existe culpa, mesmo se a pessoa deixar este planeta devido a seus hábitos arraigados.

 Ninguém deve se culpar por falhar ou fazer algo errado. Repito: uma pessoa está sempre fazendo o melhor possível dentro do grau de percepção e conhecimento que possui. Estamos todos em uma interminável viagem pela eternidade e temos vida após vida para aprendermos. O que não formos capazes de resolver nesta vida, com toda a certeza resolveremos numa das próximas.

Louise Hay


DECRETO



Para despertar o amor de Deus em nós.


Amor de Deus que está aqui, eu quero voltar a ti.

Quero acordar em mim os dons, os milagres e a força poderosa do amor que eu sou.

Me receba Pai e Mãe Celestiais e me coloque em seus corações sagrados para que eu possa sentir a força do amor e relembrar quão grandiosa é a sensação de estar na luz e que eu acorde meu amor adormecido.

Torna-me Deus em Ti e me expanda no amor que 
Tu és.

Afasta de mim todos os cálices dessa dimensão.

E deixa-me beber do seu amor.

Amém!


JURACYARA Saul da Costa

ENSINAMENTOS DE ECKHART TOLLE


Enquanto permanecermos na dimensão física e em conexão com a psique humana coletiva, o sofrimento, embora raro, ainda pode acontecer. Não devemos confundi-lo com o sofrimento emocional. Todo sofrimento é criado pelo ego e fruto de uma resistência. Além disso, nessa dimensão, ainda nos sujeitamos à natureza cíclica e à lei da impermanência de todas as coisas, mas já não vemos mais o sofrimento como uma coisa “má”. Ele simplesmente é.

Ao permitir o “existir” de todas as coisas, uma dimensão mais profunda, por baixo do jogo dos opostos, se revela para nós como uma presença permanente, uma serenidade profunda e estável, uma alegria sem motivos que se situa além do bem e do mal. Essa é a alegria do Ser, a paz de Deus.

No nível da forma existe nascimento e morte, criação e destruição, crescimento e dissolução de espécies aparentemente independentes. 

Podemos ver isso em tudo: no ciclo da vida de uma estrela ou de um planeta, em um corpo físico, em uma árvore, em uma flor; na ascensão e queda de nações, de sistemas políticos e de civilizações, e também nos inevitáveis ciclos de lucros e perdas que temos na vida.

Existem ciclos de sucesso, como quando as coisas acontecem e dão certo, e ciclos de fracasso, quando elas não vão bem e se desintegram. 

Você tem de permitir que elas terminem, dando espaço para que coisas novas aconteçam ou se transformem. Se nos apegamos às situações e oferecemos uma resistência nesse estágio, significa que estamos nos recusando a acompanhar o fluxo da vida e que vamos sofrer.

Não é verdade que o ciclo ascendente seja bom e o ciclo descendente seja ruim, a não ser no julgamento da mente. O crescimento é, em geral, considerado positivo, mas nada pode crescer para sempre. Se o crescimento nunca tivesse fim, poderia acabar em algo monstruoso e destrutivo. É necessário que as coisas acabem, para que coisas novas aconteçam.

O ciclo descendente é absolutamente essencial para uma realização espiritual. Você tem de ter falhado gravemente de algum modo, ou passado por alguma perda profunda, ou algum sofrimento, para ser conduzido à dimensão espiritual. Ou talvez o seu sucesso tenha se tornado vazio e sem sentido e se transformado em fracasso. O fracasso está sempre embutido no sucesso, assim como o sucesso está sempre encoberto pelo fracasso. No mundo da forma, todas as pessoas “fracassam” mais cedo ou mais tarde, e toda conquista acaba em derrota. 

Todas as formas são impermanentes.

Você pode ser ativo e apreciar a criação de novas formas e circunstâncias, mas não se sentirá identificado com elas. Você não precisa delas para obter um sentido de eu interior. Elas não são a sua vida, pertencem à sua situação de vida.

Nossa energia física também está sujeita a ciclos. Não consegue estar sempre no máximo. Teremos momentos de baixa e de alta energia. Em alguns períodos, estaremos altamente ativos e criativos, mas em outros tudo vai parecer estagnado, teremos a impressão de não estarmos indo a lugar nenhum, nem conseguindo nada. Um ciclo pode durar de algumas horas a alguns anos e dentro dele pode haver ciclos longos ou curtos. 

Muitas doenças são  provocadas pela luta contra os ciclos de baixa energia, que são fundamentais para uma renovação. Enquanto estivermos identificados com a mente, não poderemos evitar a compulsão de fazer coisas e a tendência para extrair o nosso valor de fatores externos, tais como as conquistas que alcançamos. Isso torna difícil ou impossível para nós aceitarmos os ciclos de baixa e permitirmos que eles aconteçam. 

Assim, a inteligência do organismo pode assumir o controle, como uma medida auto protetora, e criar uma doença com o objetivo de nos forçar a parar, de modo a permitir que uma necessária renovação possa acontecer.

A natureza cíclica do Universo está intimamente ligada à impermanência de todas as coisas e situações. Buda fez disso uma parte central de seu ensinamento. Todas as circunstâncias são altamente instáveis e estão em um fluxo constante, ou, como ele colocou, a impermanência é uma característica de cada circunstância, de cada situação com que vamos nos deparar na vida. Elas vão se modificar, desaparecer, ou deixar de proporcionar prazer. A impermanência também é um ponto central dos ensinamentos de Jesus: “Não acumule tesouros na terra, onde as traças e a ferrugem arruínam tudo, onde os ladrões arrombam as paredes para roubar…”

Enquanto a mente julgar uma circunstância “boa”, seja um relacionamento, uma propriedade, um papel social, um lugar, ou o nosso corpo físico, ela se apega e se identifica com ela. Isso faz você se sentir bem em relação a si mesmo e pode se tornar parte de quem você é ou pensa que é. Mas nada dura muito nessa dimensão, onde as traças e a ferrugem devoram tudo. Tudo acaba ou se transforma: a mesma condição que era boa no passado, de repente, se torna ruim. A prosperidade de hoje se torna o consumismo vazio de amanhã. O casamento feliz e a lua de mel se transformam no divórcio infeliz ou em uma convivência infeliz. A mente não consegue aceitar quando uma situação com a qual ela tenha se apegado muda ou desaparece. Ela vai resistir à mudança. É quase como se um membro estivesse sendo arrancado do seu corpo.

Uma vez um monge budista me disse: “Tudo o que aprendi nos vinte anos em que sou monge pode ser resumido em uma frase: Tudo o que surge, desaparece. Isso eu sei”. O que ele quis dizer foi o seguinte: aprendi a não oferecer qualquer resistência ao que é, aprendi a permitir que o momento presente aconteça e a aceitar a natureza impermanente de todas as coisas e circunstâncias. Foi assim que encontrei a paz.

Não oferecer resistência à vida é estar em estado de graça, de descanso e de luz. Nesse estado, nada depende de as coisas serem boas ou ruins. 

As coisas, as pessoas ou as circunstâncias que você desejava para a sua felicidade vêm agora até você sem qualquer esforço, e você está livre para apreciá-las enquanto durarem. Todas essas coisas naturalmente vão acabar, os ciclos virão e irão, mas com o desaparecimento da dependência não há mais medo de perdas. A vida flui com facilidade.


Echart Tolle

PERDOAR! A ATITUDE QUE LIBERTA.


Quando culpamos o outro, entregamos o nosso poder, porque estamos colocando a responsabilidade pelos nossos sentimentos em outra pessoa. As pessoas em nossas vidas podem se comportar de maneiras que desencadeiem reações desconfortáveis em nós. Entretanto, elas não entraram em nossas mentes.

Assumir a responsabilidade pelos nossos próprios sentimentos e reações é dominar a nossa “capacidade de responder.” Em outras palavras, aprendemos a escolher conscientemente, ao invés de simplesmente reagirmos.

Não podemos falar de ressentimento sem também falarmos sobre o perdão. Perdoar alguém não significa que toleremos o seu comportamento. O ato do perdão ocorre em nossa própria mente. Ele realmente nada tem a ver com a outra pessoa. A realidade do verdadeiro perdão está em deixarmos de nos agarrarmos à dor. É simplesmente um ato de nos liberarmos da energia negativa.

O Perdão não significa permitir que as ações ou comportamentos dolorosos do outro continuem em sua vida. Algumas vezes, o perdão significa liberação. Você os perdoa e os libera. Tomar uma posição e estabelecer limites saudáveis são, muitas vezes, as coisas mais amorosas que você pode fazer – não somente para si mesmo, mas para a outra pessoa também.

Eu realmente acredito que não há erros. Quando os nossos corações estão fechados e sentimos ressentimento, raiva e tristeza, é difícil ver alguma coisa boa. No entanto, quando os nossos corações estão abertos, é como se grande parte desta negatividade desaparecesse e fôssemos capazes de liberar estes velhos pensamentos e despertarmos para a alegria. Para cada um de nós, há sempre a alegria interior. E precisamos saber que somos muito perfeitos como somos.

Não importa quanto caos possa estar acontecendo ao nosso redor, não importa quantas coisas possam estar acontecendo de errado ou não da forma como queremos, não importa o que os nossos corpos possam estar fazendo no momento – podemos amar e aceitarmos a nós mesmos. Pois a nossa verdade – a verdade do nosso ser – é que somos eternos. Sempre fomos e sempre seremos. E esta parte de nós mesmos continua para sempre. Alegre-se que assim seja. Quando nos amamos e nos aceitamos exatamente como somos, torna-se mais fácil passarmos pelos momentos difíceis. Não estamos mais lutando contra nós mesmos. Estamos nos aceitando.

Estamos nos tornando sensíveis. Estamos nos valorizando. Estamos nos confortando e tornando as coisas mais fáceis para nós mesmos.

Veja-se na frente de um espelho, olhando para os seus próprios olhos e dizendo: “Eu o amo e o aceito exatamente como você é”. E respire. Permita-se sentir o que você está sentindo. Você não tem que ser perfeito. Você já é perfeito como é: Você é você. Você é exatamente o que escolheu ser nesta existência. De todos os corpos e de todas as personalidades que estavam disponíveis, você escolheu ser quem você é – vivenciar este mundo, esta vida, através do seu corpo, através de sua personalidade. Assim, ame a sua escolha, pois é parte da sua evolução espiritual.


 Louise Hay

COMO AS ENERGIAS DE NOSSAS CRENÇAS GERAM RESISTÊNCIAS



Como as energias de nossas crenças geram resistências. As nossas crenças são responsáveis pelo nosso destino. A sua realidade é criada por você mesma. No entanto, é preciso entender a fundo esse poder de fazer as coisas acontecerem nas nossas vidas. Por exemplo: aquela senhora que põe a casa para vender, pois precisa de dinheiro, e depois de dois anos ainda não conseguiu vendê-la. Já a sua vizinha colocou a dela para vender há três meses e acaba de fazer um bom negócio. Por que essa diferença?

Na verdade, ocorre que essa senhora tem uma resistência. O imóvel que ela quer vender foi a casa em que foi criada. É o lugar onde viveu a sua infância, onde cresceu e foi feliz ao lado dos pais e irmãos. Por mais que contate corretores, anuncie em jornais e se esforce para realizar a venda, existe uma energia que compromete a sua intenção, pois emocionalmente ela está apegada à casa. Se, por um lado, nossas forças promovem um grande sucesso, existem outras forças que seguram esse sucesso, por mais que não tenhamos essa consciência. A gente chama isso de resistência.

Pois bem, eu vou dar o método, e você vai tentar identificar a sua resistência. Pense numa meta que gostaria de alcançar em breve. Desde uma cura até emagrecer, por exemplo. Agora se imagine e se sinta na situação que tanto almeja. Repare: surge alguma voz na sua cabeça negando essa situação? Se ela realmente aparece, essa voz é o que está gravado no seu subconsciente, o suficiente para segurá-la. É uma antiga crença que está lá estocada. Trata-se da sua resistência.

É engraçado também perceber que a questão do mérito está associada à nossa estima. É a crença: “Se eu sou pouco, eu mereço pouco e só posso ter pouco”. Isso segura tudo. Você está onde se põe na vida. Não foi Deus, não foi o destino, não foi a sociedade. Foi você! E não adianta rezar. É um grande erro achar que as forças espirituais trabalham para a gente. Elas trabalham por meio da gente. Isso significa que nós somos uma pedra importante para que essas forças tenham condições de ajudar a realizar nossos desejos. Não é só porque pediu, porque tem fé… “Eu cansei de ter fé e não ser atendido.” Não foi atendido porque tinha resistência e não dava condições para que as coisas se concretizassem.

Bem, e como vencer essas resistências? Se bancando! Ficando do seu lado para o que der e vier. Sempre! Essas vozes são justamente você contra você. Por isso é que elas seguram suas coisas. Se estiver a seu favor pra valer, nada nesse mundo irá contra você mesma. Se surgir alguma situação ruim, faça o seu melhor por você. Não é seu marido, filho, chefe ou amigo quem tem de ficar do seu lado. É você mesma! Sem você, acabou! Se não está do próprio lado, você teme. E o temor se transforma em resistência, que impede sua realização, seu progresso.

O que quer que aconteça na sua vida, se errou, não há problema. Valeu a tentativa. Deu errado, tudo se dá um jeito. Você é mais importante que tudo e que todos. Seja sua amiga. Confie, seja tolerante consigo mesma. Essa é a única maneira de quebrar essas resistências. Você merece. Você é ótima. Faça essa experiência durante esta semana: conte com você, faça por você!

Agora, vou mais longe: geralmente essas vozes estão relacionadas com defesas. Quando algo é visto como ruim, ou seja, perigoso para você, essa crença aciona o seu mecanismo de defesa e não deixa acontecer.


Luiz Gasparetto

O MEDO É O OPOSTO DO AMOR


O medo é o oposto do amor. O medo é uma constante em nosso planeta. Você vê e ouve sobre ele todos os dias nos noticiários que falam em guerras, assaltos, assassinatos etc. Todavia, o medo em suma é a falta de confiança em nós mesmos, pois não confiamos que a Vida está aqui para nos ajudar. Como não cremos que somos cuidados a partir de um nível mais alto, achamos que temos de controlar tudo o que acontece no plano físico. Claro que pensando assim sentiremos medo.

 Para superar seus temores, você precisa confiar em seu Poder Interior, que está diretamente ligado à Inteligência Universal. Aprenda a confiar no invisível em vez de se apoiar apenas no mundo físico, material. Acredito que tudo o que necessito saber me é revelado e que, o tempo todo, uma força maior cuida de mim, mesmo que fisicamente eu não esteja controlando tudo o que existe à minha volta.

 Lembre-se de que, quando um pensamento de temor aparece, ele está tentando protegê-lo. O medo fez aumentar o nível de adrenalina no sangue, preparando o organismo para fugir do perigo. Por isso, aconselho-o a dizer sempre a seu medo, mesmo quando ele é infundado: “Sei que você quer me proteger. Sou grato por isso. Obrigado”.

 Observe seus temores, mas não se deixe afundar neles. Procure projetá-los em uma tela mental para vê-los como se fossem imagens de cinema. O que você vê no cinema não está realmente ali. As imagens são apenas uma sucessão acelerada de quadros impressos em uma fita de celuloide. Se você não insistir em se agarrar a seus medos, eles surgirão e desaparecerão tão rapidamente como essas imagens.

O medo é o oposto do amor. Quando estamos dispostos a nos amar como somos e a confiar plenamente em nós mesmos, atraímos boas qualidades. Ao sentir medo, procure fazer afirmações positivas para impedir a recriação de situações assustadoras em sua mente.
Lembre-se de que nada vem de fora. Você é o centro de tudo o que acontece em sua vida. Cada experiência é o reflexo de um padrão mental que você possui em seu interior.

 Para conseguir fortalecer o coração, o corpo e a mente, esforce-se por se ligar com o Poder Interior. Encontre uma boa conexão espiritual com ele e faça o possível para mantê-la.

 Se você está se sentindo temeroso ou ameaçado sem um motivo justo, concentre-se em sua respiração. Você já deve ter notado que, quando está assustado, tende a prendê-la. Respire fundo. Ao fazer isso, você começa a derrubar barreiras. A respiração completa endireita a coluna, abre o peito e espaço para seu coração se expandir, fazendo com que o amor flua com facilidade. Depois de respirar fundo algumas vezes, diga: “Sou uno com o Poder que me criou. Estou em segurança. Tudo está bem em meu mundo”.


 Louise Hay

DAR E RECEBER


Para compreendermos o ciclo de dar e receber, nós devemos começar primeiro avaliando alguns conceitos e crenças relacionados ao dinheiro e às posses. Vamos começar compreendendo a função do dinheiro.

Retornando aos velhos dias, antes que o conceito de dinheiro fosse concebido... era usada a troca. Acordos tais como:: “os meus bens em troca pelos seus bens”, funcionaram bem por algum tempo. As pessoas naquela época estavam tanto dando como recebendo.

Mas, enquanto a civilização evoluía e mais bens e serviços se tornaram disponíveis, surgiu um novo problema...

E se eu quisesse as suas tangerinas, mas você não estivesse interessado no que eu pudesse lhe dar em troca? É por isto que a invenção das moedas e do “papel moeda” (ou notas), se tornou uma necessidade para ajudar a resolver este dilema.

Enquanto o tempo passava, o dinheiro se tornou a ferramenta universalmente conhecida para o intercâmbio de mercadorias e de serviços.

A propósito, quando compreendemos a verdadeira função do dinheiro, a idéia de que o dinheiro é a raiz de todo o mal, se torna insustentável. A verdade é que o dinheiro é uma necessidade, uma ferramenta coletiva para trocar bens e serviços.

Isto, portanto, ajuda a todos nós prosperarmos.

Dinheiro, Crenças e Espiritualidade

Muitos cresceram com a crença de que a abundância monetária e a espiritualidade não podem co-existir. Esta idéia cria um estado dividido da mente; um ciclo incompleto de dar e de receber, o que torna difícil alcançarmos os nossos objetivos financeiros.

Por um lado, a nossa mente consciente deseja que nos libertemos das preocupações financeiras. Por outro lado, a nossa mente subconsciente faz votos de nos manter fielmente conectados ao nosso ser espiritual.

Entretanto, a espiritualidade e a riqueza monetária não deveriam ser mutuamente exclusivas. O dinheiro é uma fonte de energia que deve trocar de mãos para criar o equilíbrio e a prosperidade. Manter o dinheiro com o único propósito de acumulá-lo, somente criará um desequilíbrio, tal como quando colocamos mais peso em um prato de uma balança.

Assim, o dinheiro é como uma chave poderosa que pode abrir muitas portas. E como uma chave, ela não é nem positiva e nem negativa por si só. Nós decidimos quais portas devemos abrir. Nós decidimos quais valores colocamos no dinheiro, com base em como o adquirimos e como o usamos.

Isto pode ser facilmente compreendido. Entretanto, um aspecto importante que influencia ainda mais os valores que colocamos no dinheiro, se encontra em nosso sistema de crenças.

É esta crença que cria as associações subconscientes entre o dinheiro e a moral. E é onde muitas pessoas têm bloqueios que impedem a criação da abundância.

Percebam que as nossas crenças não estão baseadas na verdade universal absoluta. A verdade difere de uma pessoa para outra, de acordo com o condicionamento pessoal e os eventos da vida. Em outras palavras, a verdade depende da pessoa que a experiencia. É por isto que alguns têm muito, enquanto outros, não. Em muitas ocasiões vocês notarão que a abundância financeira não se relaciona à educação ou às mentes de gênios, mas aos sistemas de crenças que regulam as vidas e os resultados daqueles que criam a abundância, ou não.

Portanto, o modo com que interagimos e usamos o dinheiro reflete os nossos pensamentos e idéias de acordo com as crenças de nossa existência, as quais, muito provavelmente, são diferentes daquelas de outros. A boa notícia é que as crenças não são permanentes. Elas são bem maleáveis. Nós podemos nos libertar das crenças que não mais nos servem e substituí-las por crenças que favoreçam a nossa prosperidade. Pensem nisto...

Vocês podem ganhar um dólar fornecendo um serviço útil ou vendendo aparelhos sem valor. Do mesmo modo, vocês podem usar o mesmo dólar que vocês ganharam para ajudar a uma pessoa carente ou adquirir algo somente por razões egoístas.

É o mesmo dólar, mas é tudo uma questão de escolha. Sua escolha. Quais são as suas crenças em referência a ganhar e a usar o dinheiro após terem lido estas afirmações? Baseados nisto, quais crenças escolherão para implantar em sua mente?

Sim, o dinheiro nos proporciona os meios para obter as necessidades básicas para vivermos, tais como o alimento, o vestuário, e um teto sobre as nossas cabeças, mas ele também nos dá a habilidade de contribuirmos com uma causa digna. Assim, o dinheiro também nos concede a paz da mente, um estado essencial para vivermos uma vida espiritual e abundante.

Sonhem um pouco. Comecem a pensar em todas as coisas boas que vocês poderiam fazer com uma abundância de dinheiro. Convençam-se do seu poder de fazer o “bem” com o dinheiro, porque isto é o que vocês escolhem acreditar e o que querem fazer. Vocês estão escolhendo este caminho com base no livre arbítrio. Este é o primeiro passo para a compreensão que ter dinheiro em abundância e ter uma vida espiritual podem realmente acontecer simultaneamente.

Acondicionem estes últimos pensamentos, se o dinheiro for um símbolo de energia usado para a troca. Quando trocamos dinheiro relacionado a algo de valor, nós participamos do movimento de energia positiva e da criação do ciclo de “dar e receber” que prosperam outros, enquanto nós prosperamos. O resultado é que todos nós prosperamos juntos. Vamos também nos lembrarmos de que cabe a cada um de nós decidir como usar este dinheiro, assim como que significado lhe damos.

A Dinâmica de Dar e de Receber

A maior parte de nós se sente melhor quando o dinheiro chega do que quando ele sai. Paradoxalmente, em nossos esforços do dia a dia, nos sentimos muito melhor quando damos do que quando recebemos.

Isto é porque nos foi ensinado desde uma tenra idade que é mais gracioso dar do que receber. Em alguns casos, estes ensinamentos podem ir tão longe a ponto de nos fazer acreditar que receber está ligado ao egoísmo. Isto cria um conflito interno e produz obstáculos a um nível subconsciente que podem impedir a nossa prosperidade. Além disto, não podemos passar a vida apenas dando. Eventualmente, nós terminaremos nos sentindo vazios...

Portanto, o único meio de criar a abundância na vida é regulando a dinâmica de dar e de receber nos dois níveis, consciente e subconsciente. Quando atingimos o equilíbrio, nós criamos a abundância e a prosperidade em nossas vidas e nas vidas daqueles a nossa volta. O ciclo de dar e de receber pode realmente fluir eternamente.

A analogia a seguir ajudará a esclarecer isto. Cada vez que um fazendeiro planta uma semente, ele está começando o ciclo de dar e receber.

O fazendeiro está realmente dando uma semente à Mãe Natureza com a plena expectativa de receber algo em troca. Em seguida, ele cultiva a colheita e colhe a safra.

Ele deu e sabe que ele receberá. A Mãe Natureza dá novamente o fruto, o que coloca o fazendeiro no final da equação de receber. Então ele começa tudo novamente com a intenção de receber durante a próxima estação da colheita. É assim que ele participa e desfruta do ciclo da vida, assim como o Planeta Terra gira para nos dar o dia e a noite.

O cenário anterior cria outro ponto importante. Para começar a receber, nós devemos primeiro dar. Cabe a cada um de nós iniciarmos o ciclo de dar e de receber. E uma vez que nós damos, nós devemos receber. Tudo isto depende da semente que plantamos. Ninguém plantará uma semente esperando nada colher e isto não é diferente para vocês e para mim, referente ao dinheiro. A verdade é que o mesmo vale para tudo na vida. Quando semeamos amor, nós recebemos afeição, quando semeamos trabalho, nós recebemos a remuneração, quando semeamos bondade, nós recebemos simpatia, quando semeamos a paz, nós recebemos a tranqüilidade... Isto contribui com o Equilíbrio Universal, assim como o equilíbrio existe através dos opostos, tais como quente e frio, luz e escuridão, riso e tristeza, em cima e embaixo, a saúde e a doença, e a lista continua...

Portanto, dar e receber são ambos, partes da mesma equação. O ato de dar e de receber cria um ciclo e um equilíbrio saudável ao mesmo tempo.

A filosofia Chinesa, chamada de Tao te Ching por Lao Tsu, escrita durante o Século 3 A.C., explica como todas as energias no mundo estão equilibradas em igual medida. Nós podemos encontrar o mesmo equilíbrio no símbolo Ying Yang.

Assim, o ato de dar e de receber inicia uma troca de energia que garante o equilíbrio necessário para o ciclo financeiro fluir facilmente de mão a mão. Quando as coisas saem do equilíbrio que conseguimos a desarmonia, a discórdia, o conflito, a carência e a limitação, entre outros efeitos indesejáveis. Dar e receber é uma via com dois sentidos!

A importância da Atitude no Ciclo de Dar e Receber

Como com cada coisa na vida, a atitude é tudo. Quando vocês derem, sempre se lembrem de colocar um sentimento de alegria naquilo que vocês estiverem dando. Certifiquem-se de saberem, sem sombra de dúvida que vocês receberão em breve de acordo, pois vocês iniciaram o ciclo de “semeadura-colheita”. À medida que vocês derem se tornarão o instrumento que transmite energia positiva. Por sua vez, vocês receberão mais do mesmo.

O seguinte mantra (retirado do treinamento dos “cidadãos”, ressoa perfeitamente com o artigo acima. Repitam-no em silêncio, enquanto vocês estiverem dando...

“A minha prosperidade prospera aos outros. A prosperidade deles me prospera.”

Finalmente, certifiquem-se de darem do coração e com convicção. O resto cairá no lugar adequadamente.

“O Universo opera através da troca dinâmica... dar e receber são aspectos diferentes do fluxo de energia no Universo. E em nossa disposição de dar aquilo que buscamos, nós mantemos a abundância do Universo circulando em nossas vidas.” –

Deepak Chopra

FAÇA O SEU CAMINHO


"O rebelde não tem caminho algum para seguir; aqueles que seguem algum caminho não são rebeldes. O próprio espírito de rebeldia não necessita de qualquer orientação. Ele é uma luz em si mesmo.

As pessoas que não podem se rebelar pedem por orientação, querem ser seguidoras; A psicologia delas é a de que ser um seguidor as alivia de todas as responsabilidades; o guia, o mestre, o líder, os messias se tornam responsáveis por tudo. Tudo o que se requer do seguidor é apenas que tenha fé. E apenas ter fé é um outro nome para a escravidão.

O rebelde está em um estado de tremendo amor pela liberdade - liberdade total, nada menos do que isso. Daí ele não ter salvador, mensageiro de Deus, messias ou guia algum; ele simplesmente vive de acordo com sua própria natureza. Ele não segue ninguém, não imita ninguém. Certamente ele escolheu o modo de vida mais perigoso, cheio de responsabilidades,mas de uma alegria e liberdade tremendas.

Ele muitas vezes falha, comete erros, mas nunca se arrepende de nada, porque aprendeu um profundo segredo da vida: ao cometer erros você se torna sábio.

O Rebelde é como um pássaro.
Ao extraviar-se, você conhece mais claramente o que está certo e o que está errado, porque tudo aquilo que lhe dá miséria, sofrimento, que torna sua vida uma escuridão sem fim, sem amanhecer...isso significa que você se extraviou. Perceba, e volte novamente para o estado de ser onde você está em paz, silencioso, sereno e uma fonte de felicidade e estará novamente no caminho certo. Não existe outro critério além desse.

Estar em estado de graça é estar certo.
Estar infeliz é estar errado.

A peregrinação do rebelde está repleta de surpresas. Ele não tem mapa, nem guia, assim, cada momento está entrando em um novo espaço, em uma nova experiência - em direção à sua própria experiência, à sua própria verdade, ao seu próprio êxtase, ao seu próprio amor.

Aqueles que são seguidores nunca conhecem a beleza de experienciar coisas nova. Eles sempre têm usado conhecimento de segunda mão e fingindo serem sábios. As pessoas são certamente muito estranhas. Elas não gostam de usar sapatos de segunda mão; nem mesmo em seus pés elas porão sapatos de segunda mão; Mas quanto lixo elas estão carregando em suas cabeças...simplesmente sapatos de segunda mão! Tudo o que elas sabem é emprestado, imitado, aprendido - não pela experiência, mas somente pela memória. O conhecimento delas consiste em memorização.

O rebelde não tem um caminho como tal.
Ele anda, e faz o seu caminho enquanto anda.

O rebelde assemelha-se a um pássaro voando no céu; que caminho ele segue?
Não existe estradas no céu, não existem pegadas de pássaros ancestrais, de pássaros notáveis. Nenhum pássaro deixa qualquer pegada no céu, portanto o céu está sempre aberto.
Você voa e faz o seu caminho..."

Osho em The Book of Wisdom



MENSAGEM MÃE MARIA DIA 11/02/2015


Mensagem de Mãe Maria

Que as bênçãos do amor tragam paz aos vossos corpos, mentes e corações.

É tempo de milagres, é tempo de confiar na manifestação dos milagres confiando no vosso poder de tudo transformarem.

Transformar insegurança em certeza, dúvida em verdade, violência em paz.

Confiar, eis a palavra mágica que vos abre caminho para as novas conquistas onde o homem-mulher, ciente do seu poder, diante da sua santidade, readquire o controle sobre os eventos que surgem no dia a dia de suas trajetórias.

Controlar exige de vós enxergardes o todo, e só se percebe a totalidade pelas mãos do coração.

Quando o todo se revela também se revelam o propósito de todos os acontecimentos com que vos deparais e, também, a melhor escolha para seguir em frente, corrigindo, transformando, mudando aspectos da realidade ilusória que não vos servem mais.

Quão importante para vossas evoluções, para o crescimento de vossas almas, alçardes à frequência onde a realidade deixa de ser percebida por fragmentos, para se mostrar como uma manifestação una onde todos os seres que convosco convivem se apresentam como parte de vós.

Sois parte do todo, já sabeis, mas é de vital importância que possais ver e sentir o todo, a totalidade da realidade que criastes como humanidade, para que a compreensão se revele e as mudanças ocorram sem traumas, eis que estarão acompanhadas do entendimento, da razão de serem praticadas, vos mostrando assim as soluções.

Mudar a realidade ilusória, para revelar o verdadeiro mundo que vos foi destinado pelo Pai Criador.  

Ao dardes o primeiro passo, crendo no vosso poder, que foi herdado do Pai, atingireis a frequência que vos abre a cortina do verdadeiro saber, onde a dualidade é apenas a consequência do livre-arbítrio de que sois dotados, mas que deixa de revelar os opostos para vos oferecer escolhas que vos levem a atingir um determinado objetivo a que vos propusestes conquistar.

Bem amados, é preciso que cultiveis fé e determinação, para que possais deixar para traz as dúvidas que vos mergulham no caos e na negatividade, fazendo-vos sofrer por quimeras, temer o imponderável, adoecer por falta de comandos objetivos aos vossos corpos, que nada mais fazem do que revelar aquilo que determinais em pensamento e ações.

Deixai, pois de afirmar e reforçar a fraqueza, a dúvida, o limite, a intolerância; afirmai, sim vosso poder ilimitado, vossa comunhão com o uno, vossa compreensão da totalidade, para que, passo a passo, as forças-inteligências que compõem vossos corpos possam compreender e adotar a santidade que precisais manifestar, pela devolução de uma mente e corpo sãos.

Bem amados, buscai milagres, acreditando no vosso poder de manifestar o ilimitado, trazendo à tona toda a sabedoria que tem o dom de por fim a ilusão que ainda permeia vossa realidade.

Bem amados, que a luz que flui do Pai, e que se revela em vosso mundo como puro amor incondicional, possa ser alimentada por vós a cada instante sagrado, para que o coração trace o norte, revelando a realidade da perfeição, a mesma realidade que conhecestes quando aceitastes o desafio de vivenciar essa longa experiência para readquirir o merecimento de ser pleno e feliz.

Bem amados, Eu vos deixo agora derramando sobre todos vós as minhas bênçãos, e envolvendo a todos no meu manto de proteção, porque Eu Sou 

Maria, Vossa Mãe.


SP-11/02/2015-Mensagem de Mãe Maria-03-2015 recebida por Jane M. Ribeiro

MENSAGEM MÃE MARIA 13/01/2015


Mensagem de Mãe Maria
Amados Filhos,

Que as bênçãos do amor tragam paz aos vossos corpos, mentes e corações.

Uma nova etapa de vossas evoluções principia a tomar forma em vossa realidade.

A verdade se materializa, o amor se torna palpável, a paz começa a emergir do caos que ainda causa vítimas inocentes em tantas partes de vosso planeta.

A limpeza da densidade que tomou conta de todas as formas de vida chega ao princípio do fim, e a transparência que emerge vos devolve a capacidade de reconhecer tudo e todos além da forma, além da aparência, além da vestimenta de carne que a todos envolve tornando possível a expressão da verdade de que sois uma imensa família com um propósito comum.

O caminho está aberto para que possais vos elevar além da realidade limitada do mundo do caos, abrindo espaço para a criação consciente da realidade que precisais experenciar neste ponto de vossas evoluções.

Contudo, para que possais escolher com discernimento e consciência é preciso que possais vos centrar num profundo estado de paz interior, para que as múltiplas realidades a vós oferecidas, nos mundos paralelos, se tornem visíveis e transparentes, possibilitando-vos vislumbrar o melhor caminho para a continuação de vossa evolução para um novo padrão de vibração. 

Sim, uma nova frequência e um novo padrão de vibração atuam como um ímã que desperta e atrai todas as formas de vida para a realidade onde inexistem fronteiras, onde povos e nações se compreendem e se completam, onde a percepção das múltiplas facetas oferecidas pelas formas de governo e pelas religiões podem ser vistas com os olhos da unidade, permitindo assim a substituição do ódio, da intolerância e da prepotência pela compreensão, pelo entendimento, pela tolerância, onde todos são livres para manifestarem pensamentos, sentimentos e ações em prol do bem comum.

Amados filhos, é mister que possais ser os precursores e os guardiães da paz; cultivai a paz, orai pela paz, vibrai a força da paz em vossos corações, para que a paz se expanda e envolva todas as formas de vida; sem paz a nova realidade não se instala em vosso planeta e em vossas vidas.  

Começai, pois este novo ano buscando engrossar as fileiras da paz através de vossos pensamentos e vossas ações, e segui em frente com a certeza de que as transformações que se fizeram necessárias no ano que chegou ao fim vos trouxeram uma nova percepção da realidade, onde tudo é possível, onde tudo acontece pela força do pensamento do ser humano; que a responsabilidade acompanhe vossos passos, que a clareza mental esteja sempre presente em vossas escolhas, que a compaixão seja a tônica de vossas manifestações, e que o amor esteja sempre presente em vossas vidas nesta nova etapa de vossas evoluções.

Bem amados, Eu vos deixo agora derramando sobre todos vós as minhas bênçãos e envolvendo a todos no meu manto de proteção, porque Eu Sou 

Maria, Vossa Mãe.


SP-13/01/2015-Mensagem de Mãe Maria-01-2015 recebida por Jane M. Ribeiro.

quinta-feira, 5 de fevereiro de 2015

PORQUE AS PESSOAS SOFREM


As pessoas sofrem porque não sabem quem são. Não sabem intimamente, profundamente quem realmente são. Não praticando o autoconhecimento, não se interiorizando, torna-se difícil de não se focar no mundo exterior, portanto se tornado dependente do que ele oferece ou não.

Então, as pessoas procuram do lado de fora algo que preencha o vazio interior. Este vazio é o esquecimento de sua essência, de sua partícula divina. Em não havendo o reconhecimento desta divindade, a pessoa sente um vazio, além de uma insegurança martirizante, uma vez que o falso eu ganha forma e se diz dono do mundo.

Mas nada do que vem de fora pode preencher seus interiores, isso é naturalmente impossível. A mudança sempre se dá de dentro para fora, não existe outro meio. Mas o falso eu não reconhece isso, pois quando tenta olhar para dentro, descobre que sua existência é questionável, portanto fica inseguro e concentra suas forças no exterior, onde sabe que tem a aceitação de sua existência pela sociedade em que vive.

Logo, a fagulha para iniciar-se o processo do fim do sofrimento começa com o autoconhecimento. Isso porque quando se chega a um determinado nível, acaba-se percebendo que qualquer segurança é falsa, que a verdadeira realidade está baseada na total incerteza.

E isso liberta, pois conhecer a si mesmo é libertar-se da necessidade de se sentir seguro, já que no descobrimento de si mesmo, não existe insegurança, tampouco segurança, porque você compreende que é Uno e portanto é parte de tudo o que existe. Contudo você vê isso como um fato, não como uma teoria, por isso é libertador.

O fim do sofrimento ainda passa pelo refreamento dos desejos, das necessidades. O ser humano experencia a si mesmo como uma figura eternamente insatisfeita, procurando a cada minuto uma nova meta a ser alcançada. Esse é o ato da ação e do esforço.

Com isso, mesmo depois de alcançados todos os objetivos, ainda haverá necessidade de se criar novas metas, pois que o ato de parar de se mover assusta o ego. Ele precisa estar em constante processo mental, pois não suporta o silêncio, não suporta a pausa, não suporta a si mesmo.

O desejo então deve ser refreado. Pois que quando não há sua realização ou mesmo no processo em que ele se dá, sentimos frustração. E da frustração surge o sofrimento. E é o sofrimento o carro chefe de todas as doenças, de todos os crimes, de todas as tristezas. De maneira que, se todos nós nos bastássemos, nos sentíssemos plenos naquilo que já somos em nossos interiores, não procuraríamos no exterior motivos para satisfazer nossos vazios.

Isso não significa não ter nenhuma aspiração, nenhum sonho ou vontade. Ao contrário, a vida foi feita para nos expressarmos livremente, todavia é preciso acabar totalmente com o sentimento de necessidade. E é aí que entra nosso querido desapego.

Deseje sem o sentimento de carência; sonhe sem o sentimento de vazio; aspire sem a necessidade de realizar algo. Novamente, realize pela não-ação.

Quando o desejo vem com o desapego, dizemos que ele está refreado. Ele não vem com um sentimento de vazio, de necessidade. Além de tornar-se mais poderoso, uma vez que sua vibração condiz com aquilo a que ele mesmo se propõe, a pessoa não sofre, pois não se preocupa com os resultados. Então ela aproveita a jornada e se esquece do objetivo final.

As pessoas então sofrem porque não sabem quem são e por isso não desejam para expressarem-se, mas para preencherem seus vazios. Quanto mais profundamente cada um for se conhecendo, menor será seu sofrimento. Portanto, conhecer a si mesmo é a chave para o fim dele.


Marcos Keld - Autor do Livro Potencialidade Pura

ACEITAÇÃO E ENTREGA


Sempre que puder, olhe para dentro de si mesmo e procure ver se você está inconscientemente criando um conflito entre as circunstâncias externas de um determinado momento onde você está, com quem está ou que está fazendo e os seus pensamentos e sentimentos. Você consegue sentir como é doloroso ficar se opondo internamente ao que é?

Quando reconhece esse conflito, você percebe que agora está livre para abrir mão dessa guerra interna infantil.

Já foi dito: Aonde quer que vá, você se leva . Em outras palavras: você está aqui. Sempre. Será que é tão DIFÍCIL ACEITAR ISSO?

O não reativo e habitual fortalece o ego, o EU autocentrado. O SIM o enfraquece. Seu ego não é capaz de sobreviver à entrega.

Você consegue perceber qualquer indício interior que revele que você não quer fazer o que está fazendo? Se isso acontece, você está negando A VIDA, e é impossível chegar a um bom resultado.

Se você percebe esse indício, é capaz também de abandonar essa vontade de não fazer e se entregar ao que faz?

Fazer uma coisa de cada vez , como o mestre definiu, significa dedicar-se plenamente ao que está fazendo. É um ato de entrega uma ação PODEROSA.

Quando você aceita o que é, atinge um nível mais profundo. Nesse nível, tanto seu estado interior quanto sua noção de eu não dependem mais dos julgamentos feitos pela mente do que bom ou ruim .

A aceitação e a entrega se tornam muito mais fáceis quando voe percebe que todas as experiências são fugazes e se dá conta de que o mundo não pode lhe oferecer nada que tenha um valor permanente. Ao aceitar e entregar-se, você continua a conhecer pessoas e a se envolver EM EXPERIÊNCIAS E ATIVIDADES, MAS SEM OS DESEJOS E OS MEDOS DO eu AUTOCENTRADO. Ou seja, você deixa de exigir que uma situação, uma pessoa, um lugar ou um fato o satisfaçam ou façam feliz. A natureza PASSAGEIRA e IMPERFEITA de tudo pode
SER COMO É.
Quando você aceita totalmente o MOMENTO PRESENTE, quando deixa de discutir com o que é, a compulsão de pensar DIMINUI e é substituída por uma CALMA ATENTA. Você fica plenamente consciente, mas sua mente não dá qualquer rótulo para esse momento. Quando você deixa de resistir internamente, abre-se para a consciência livre de condicionamentos, que é infinitamente maior do que a mente humana. Essa vasta inteligência pode então se expressar através de você e ajudá-lo tanto por dentro quanto por fora. É por isso que, ao parar de resistir internamente, você costuma achar que as coisas melhoraram.

A entrega consiste em entregar-se a esse momento, e não a uma história através da qual você interpreta esse momento e depois tenta se conformar com ela.

Será que sua mente vai INVENTAR uma história que diz: A vida foi dura e injusta comigo. Eu não mereço . Ou será que você é capaz de aceitar esse momento tal como é e não confundi-lo com uma história que sua MENTE INVENTOU a partir da situação real?
Mesmo nas situações APARENTEMENTE mais inaceitáveis e dolorosas existe um profundo bem. Dentro de cada desgraça, de cada crise, está a SEMENTE DA GRAÇA.

Há situações em que nenhuma resposta ou explicação satisfaz. Nesses momentos a VIDA parece perder o sentido. Ou alguém em desespero pede sua ajuda e você não sabe o que dizer ou o que fazer. Quando você aceita plenamente que não sabe, desiste de lutar para encontrar a resposta usando o pensamento de sua MENTE LIMITADA através de você. Até o pensamento pode se beneficiar com isso, pois a inteligência maior flui para DENTRO DELE E O INSPIRA.

Às vezes, entregar-se significa desistir de querer entender e sentir-se bem com o que você NÃO SABE.
Você conhece pessoas cuja maior função na vida parece ser cultivar a própria
infelicidade, fazer os outros infelizes e espalhar infelicidade? Perdoe essas pessoas,
pois elas também fazem parte do despertar da humanidade. O PAPEL delas é INTENSIFICAR O PESADELO DA CONSCIÊNCIA AUTOCENTRADA DA RECUSA à aceitação e à entrega. Não há uma escolha DELIBERADA na atitude delas. Essa atitude não é o que ELAS SÃO.

Pode-se dizer que a entrega é a transição interior da resistência para a aceitação, do NÃO para o SIM. Quando você se entrega, a noção que tem de si mesmo muda. O eu deixa de se identificar com a reação ou um julgamento mental e passa a ser um ESPAÇO em torno da reação ou do julgamento. O eu não se identifica mais com a forma o pensamento ou a emoção e você se reconhece como algo sem forma: O ESPAÇO DA CONSCIÊNCIA .

Qualquer coisa que você aceite plenamente vai levá-lo à paz, o que inclui a aceitação daquilo que você não consegue aceitar, daquilo que você está RESISTINDO.
DEIXE QUE A VIDA SEJA.

FONTE: O Poder do Silêncio


Eckhart Tolle

VOCÊ É MAIS IMPORTANTE!


A lei da atração está intimamente ligada ao autoconhecimento.
São duas linhas que correm juntas e dependentes uma da outra.

Julgamento é o reflexo de que uma parte de si mesmo ainda não está se rendendo. E julgamentos negativos emitem uma freqüência de luz muito pobre. Você precisa observar a qualidade de seus pensamentos. E se eles forem nocivos, se renda... Deixe Para lá; traga você para perto!

Você só pode observar o belo ou o feio se esta vibração estiver ardendo em seu íntimo.

E quando você respeita o outro e o trata com mais gentileza é porque você encontrou dentro de si mesmo uma maneira equivalente de tratamento pessoal. E a vida responde a essa vibração! A vida responde aos seus sentimentos, a todos eles sem distinção.

Por isso, todo o enfoque que dou é que você primeiro seja tremendamente egoísta. Cuide de si mesmo, observe mais as coisas que lhe dão prazer. Preste atenção em você. Olhe para dentro, para as correntezas de seus desejos, para o vento da sua imaginação e para a tsunami de suas emoções.

Abrace a si mesmo com ternura e orgulhe-se do seu trajeto até aqui. Forneça afeto para as suas esperanças e divirta-se com seus sonhos. Essa conduta vai nutrir os pontos vibracionais que mais necessitam de cura. O seu desejo é a porta para Deus, ele lhe mostrará o caminho do autoconhecimento e você encontrará a luz da criatividade.

E com a sua vibração voltada para o melhor, as feridas irão sarar. Os julgamentos vão estacionar, pois você concentrado em si mesmo é Deus em plena atividade oceânica! Você concentrado em sua felicidade é uma força da natureza! Não falo de um egoísmo que sai por aí derrubando paredes por você se sentir injustiçado. Seja autocentrado primeiro, não há ninguém mais importante do que você no mundo.

Quanto mais injustiçado você se sentir, mais injustiça vai atrair.
Isso tudo acontece porque primeiramente você não está sendo justo com suas melhores vibrações. Você está desperdiçando um tempo e uma energia preciosa reclamando, enquanto quem mais está sendo injusto com o ser mais importante do universo é você.

Você é o mais importante!

O mundo e os julgamentos sobre ele somem quando você está concentrado em si mesmo.
Uma tremenda força divina vibra ao seu redor quando Deus está concentrado. Deus só consegue se concentrar em si mesmo, e por isso a sua postura é bela, amorosa e curativa. Não desperdice o poder de Deus que você carrega.

A vida é profundamente egoísta.
Você é fruto de um espermatozóide que só pensou em si mesmo na hora de encontrar o óvulo. Você não pode pensar no outro se as suas feridas ainda estiverem abertas. E quanto mais elas estiverem abertas, mais para fora de si mesmo você estará olhando e julgando...

Você não pode amar o mundo se não cultivar o egoísmo de olhar para dentro de si mesmo.
Pensar no outro enquanto o seu mundo está vibrando nocivamente será uma conduta contraproducente.

Você não pode se dedicar totalmente ao outro se o seu desejo estiver necessitando de foco e concentração. E o seu desejo estará carente da sua concentração toda a vez que você estiver olhando para fora de si mesmo. E quando você estiver se amando e cuidando de si mesmo, todos os julgamentos externos vão sumir.

Seja egoísta e não desperdice a vida encontrando o egoísmo em outras atitudes.
Depois de entrar em sintonia feliz com a sua proposta aqui nessa existência, você será capaz de amar a vida e observar o melhor em tudo e em todos. O mundo é vibratoriamente salvo se você puder cuidar de si mesmo.

Maturidade é isso: uma postura que encontrou uma base de amor e compreensão em seu interior. Alguém imaturo, enxerga falsidade e injustiça em tudo e a vida lhe mostra mais disso! Alguém maduro encontra forças em seu espírito para observar apenas o melhor, pois ele aprendeu a tratar a si mesmo com uma qualidade melhor.

Se você estiver encontrando falsidade e injustiças por aí...
Pare tudo e seja tremendamente egoísta; há alguém abandonado em seu íntimo gritando por ajuda. Pare tudo agora e incendeie o seu coração de todas as belezas que você já pode desejar para a sua vida.
Está tudo certo!
Comece devagar – com uma palavra apenas: que tal Felicidade? É uma sensação bela e egoísta que deixa o mundo todo iluminado, mesmo que ela esteja pulsando apenas no seu coração.


Deepak Chopra



ENSINAMENTOS DO OSHO


As pessoas vivem toda a sua vida a acreditar no que os outros dizem, dependentes dos outros. É por isso que têm tanto medo da opinião dos outros. Se eles pensam que você é mau, torna-se mau. Se o condenam, começa a condenar-se. Se dizem que é pecador, começa a sentir-se culpado. E, como depende da opinião deles, é obrigado a conformar-se constantemente com as suas opiniões; senão eles mudarão de opinião. Ora isso cria uma escravidão, uma escravidão muito sutil. Se quiser ser considerado bom, digno, belo, inteligente, tem de fazer concessões, tem de se comprometer continuamente com as pessoas de quem depende.

E levanta-se um outro problema. Como há muitas pessoas, elas estão sempre a alimentar a sua mente com diferentes tipos de opiniões — opiniões conflituosas, ainda por cima. Uma opinião a contradizer outra opinião — daí que exista uma grande confusão dentro de si. Uma pessoa diz que você é muito inteligente, outra pessoa diz-lhe que é estúpido. Como decidir? 

Então fica dividido. Fica com dúvidas sobre si próprio, sobre quem é... uma ondulação. E a complexidade é muito grande, porque há milhares de pessoas à sua volta.

Você está em contato com muitas pessoas e cada uma delas mete a sua ideia na sua mente. E ninguém o conhece — nem você mesmo se conhece —, pelo que toda essa coleção se amontoa dentro de si. É uma situação de enlouquecer. Tem muitas vozes dentro de si. 

Sempre que se pergunta quem é, surgem muitas respostas.

Algumas dessas respostas serão da sua mãe, outras serão do seu pai, outras ainda do professor, e assim por diante e assim sucessivamente, e é impossível decidir qual delas é a resposta certa. Como decidir? Qual o critério? É aqui que o homem se perde. Chama-se a isto ignorância de si próprio.

Mas como depende dos outros, tem medo de entrar na solidão — porque no momento em que começar a entrar na solidão começará a ter muito medo de se perder. Em primeiro lugar, você não se tem a si próprio, mas, qualquer que seja o eu que criou a partir da opinião dos outros, tem de o deixar para trás. Daí que seja muito assustador interiorizar-se. Quanto mais fundo for, menos saberá quem é. É por isso que quando procura conhecer-se realmente a si próprio, antes de o conseguir terá de abandonar todas as ideias que tem sobre o seu eu. 

Haverá um hiato, haverá uma espécie de coisa nenhuma. Tornar-se-á uma não-entidade. Sentir-se-á completamente perdido, porque tudo o que conhece deixará de ser relevante e aquilo que é relevante ainda não conhece.


Osho, in Intimidade